ANFACER - Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para Revestimentos, Louças Sanitárias e Congêneres

Alameda Santos, 2300 - 10º andar
São Paulo, SP/ Brasil - 
CEP: 01418-200

T + 55 11 3192 0600

Acordo MERCOSUL + União Europeia: os impactos na indústria cerâmica

July 1, 2019

 

 

Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai, os países que compõem o MERCOSUL, juntamente com a União Europeia (UE) assinaram, na última sexta-feira (28/06), um tratado de Livre Comércio entre os blocos

 

 

Entenda: Tratado de Livre Comércio significa que os bens e serviços produzidos e exportados por um país terão acesso com redução à zero do imposto de importação em qualquer outro país também signatário do Tratado. Essa redução não é imediata e ocorre de acordo com o cronograma de desgravação (desoneração) tarifária negociada.

 

O acordo garantirá acesso efetivo em diversos segmentos como construção, serviços, comunicação, entre outros, e trará um incremento da ordem de 87,5 bilhões a 125 bilhões de dólares em um prazo de quinze anos, de acordo com estimativas do Ministério da Economia. 

 

As empresas brasileiras serão beneficiadas com a eliminação de tarifas na exportação de 100% dos produtos industriais, equalizando as condições de concorrência com outros parceiros que já possuem acordos de livre comércio com a UE.

 

As negociações se estenderam durante vinte anos e representam um marco histórico, pois, juntos, os blocos representam um mercado de 780 milhões de pessoas, o equivalente a 25% do PIB mundial. O acordo comercial com a UE constituirá uma das maiores áreas de livre comércio do mundo. Pela sua importância econômica e a abrangência, é a aliança mais ampla e de maior complexidade já negociado pelo MERCOSUL.

 

O tratado abrange temas tanto tarifários quanto de natureza regulatória, como: Aduana e Facilitação de Comércio; Comércio de bens; Compras governamentais; Concorrência; Defesa comercial; Desenvolvimento sustentável; Propriedade Intelectual; Assistência mútua em temas relacionados à aduana; Regras de origem; Salvaguardas; Comércio de serviços; Medidas Sanitárias e Fitossanitárias; Barreiras Técnicas ao Comércio; Subsídios; e Solução de Controvérsias.

 

Na prática ainda há muito trabalho pela frente, após a assinatura o Acordo precisa ser publicado no Diário Oficial da União, o que deverá ocorrer, segundo fontes do Ministério da Economia, até dia 05 de julho. Em seguida cada um dos  31 países signatários deverá ratificar o acordo em seu congresso/parlamento. Estima-se que esse processo durará 2 a 3 anos. Após todas as aprovações e ratificações o texto completo do acordo – incluindo redução de tarifas – entra em vigor de forma gradativa, ao longo de dez anos.

 

“Durante a última consulta pública e troca de ofertas entre os blocos (em 2016) os revestimentos cerâmicos estavam negociados com desgravação de 5 anos, ou seja, a redução total do imposto de importação para revestimentos cerâmicos ocorreria gradativamente, ao longo de 5 anos após a entrada em vigência do Tratado”, explica Maurício Borges, da ANFACER (Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para Revestimentos, Louças Sanitárias e Congêneres).

 

Ele conta ainda que desde 2016 o governo brasileiro não divulgou o status da tabela de cronogramas do Tratado. O setor de revestimentos cerâmicos, assim como os demais setores produtivos, aguarda ansiosamente a publicação do texto final.

 

Com o acordo em vigor, espera-se que o aumento de investimentos no Brasil, seja da ordem de US$ 113 bilhões em 15 anos. Com relação ao comércio bilateral, as exportações brasileiras para a UE apresentarão quase US$ 100 bilhões de ganhos até 2035.

 

“Na prática, com a vigência do acordo, produtos agrícolas de grande interesse do Brasil terão suas tarifas eliminadas, como suco de laranja, frutas e café solúvel. Os exportadores brasileiros obterão ampliação do acesso, por meio de quotas, para carnes, açúcar e etanol, entre outros”, diz Borges.

 

O acordo reconhecerá como distintivos do Brasil vários produtos, como cachaças, queijos, vinhos e cafés e garantirá acesso efetivo em diversos segmentos como serviços, comunicação, construção, distribuição, turismo, transportes e serviços profissionais e financeiros. 

 

Em compras públicas, as empresas brasileiras obterão acesso ao mercado de licitações da UE, estimado em US$ 1,6 trilhão. Os compromissos assumidos também vão agilizar e reduzir os custos dos trâmites de importação, exportação e trânsito de bens.

 

 

Please reload